Ads 468x60px

Índice glicêmico menos é mais

O mundo está de olho nele. Pudera. O índice glicêmico, o IG, faz você engordar. Tanto quanto as calorias. Mais: essa medida está relacionada com doenças cardiovasculares e diabete. Em países como a Inglaterra, a França, os Estados Unidos, o Canadá e a Austrália, muitos alimentos industrializados já vêm com um selo indicando a quantidade de IG se é baixa ou alta. "Seu grande mérito é garantir a saciedade e assim controlar o apetite", disse à SAÚDE! a australiana Jennie Brand-Miller, professora de nutrição da Universidade de Sydney e uma das maiores autoridades no assunto.
IMas, afinal, o que é esse tal índice? A resposta vem da professora Elizabete Wenzel, da 
Universidade de São Paulo (USP): "É uma medida do nível de glicose que os alimentos, especialmente os carboidratos, liberam no sangue". Para entender melhor essa história, é bom saber que boa parte do que você come se transforma em glicose e o papel dessa substância no funcionamento do corpo é fundamental. A glicose, que está nos doces e nas massas, é o combustível de todas as células, a fonte da energia que faz o organismo funcionar a pleno vapor.
A chave para a entrada da glicose nas células é a insulina, hormônio que mantém em equilíbrio a glicemia o nível de açúcar no sangue. E esse é o xis da questão. Os alimentos podem conter baixo ou alto índice glicêmico. No primeiro caso, os níveis de açúcar em circulação se mantêm estáveis. Já no segundo é fácil deduzir há picos da substância na corrente sangüínea.
Mais do que a quantidade de açúcar em uma comida, o índice glicêmico revela a velocidade com que esse nutriente será absorvido. O comportamento de um alimento durante a digestão é o que define o resultado de IG. "A presença de fibras, o cozimento e até mesmo o solo onde o vegetal foi cultivado também ajudam a fixar esse valor", conta a nutricionista Elizabete Wenzel, que, junto com sua equipe na USP, tem se dedicado a medir o IG de frutas, leguminosas e cereais, entre outras opções assíduas no cardápio dos brasileiros. Em um de seus trabalhos, a professora verificou que, quanto menos o feijão é cozido, menor é o seu índice glicêmico. "A cocção exagerada destrói a integridade da parede celular do vegetal", afirma.
Quanto mais quebrada a célula, mais fácil é a absorção e, conseqüentemente, a glicemia sobe com maior velocidade. Quando ocorre uma verdadeira guinada de glicose em circulação, cresce a necessidade de insulina, já que é ela que bota todo esse açúcar para dentro das células. "É um hormônio que tem estreita relação com o ganho de peso", diz a nutricionista Mariana Del Bosco, da Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade (Abeso). "Se há muitos picos de insulina, aumentam os depósitos de gordura abdominal", afirma a endocrinologista Zuleika Halpern, que tem aplicado o conceito da dieta de baixo IG em seu consultório na capital paulista. Muito mais do que acabar com a boa forma, esse acúmulo na região da cintura pode ser ainda o estopim para uma verdadeira bagunça metabólica. "Elevam-se os níveis de triglicérides e de outras gorduras em circulação", aponta Zuleika.
Por outras gorduras entenda-se colesterol. Não faltam trabalhos indicando que um cardápio lotado de comida de alto IG pode contribuir para o aumento da sua versão ruim, o LDL. Por outro lado, se o menu está mais para baixo IG, o peito agradece. A nutricionista Samantha Rhein, da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), conta que já há evidências de que o baixo índice glicêmico contribui para o aumento de HDL, o bom colesterol. Assim, sobram razões para concluir que controlar o IG é importante para proteger o coração. Um estudo publicado recentemente no periódico científico Journal of the American Medical Association (Jama) mostra até mesmo a relação entre baixo IG e queda na pressão arterial.
E, já que o sobe-e-desce da glicemia obriga o pâncreas, encarregado de despejar a insulina, a viver numa montanha-russa, qualquer falha nesse processo pode dar origem ao diabete. Nesse caso o do tipo 2. "Poupar o pâncreas de trabalho exaustivo é, sem dúvida, um passo para a prevenção dessa doença", resume o nutrólogo e endocrinologista Juliano Alves Pereira, da Associação Brasileira de Nutrologia.

0 comentários :

Postar um comentário

O que achou? Comente ♥♥♥

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
Blogger Templates